Os mais lidos

Textos mais lidos

Posted by : Felippe Alves quarta-feira, 3 de julho de 2013

          “Era uma vez” talvez não seja a melhor maneira de iniciar essa história. Mas não há como voltar atrás, pois foi com tais que dei início ao parágrafo. Outono foi um jovem nascido numa manhã de verão. Sentenciado desde seu batismo a aprender que, assim como as folhas, tudo cai constantemente ao longo da vida.
Ainda jovem, foi forçado pelos pais a estudar todas as possíveis ciências da natureza. Como físicos renomados, ambos trabalhavam dia e noite na intenção de elaborar a Nova Lei da Gravidade, uma tese que propunha que a força gravitacional seria bem mais eficiente do que afirmara Newton. Assim, por toda a vida, seus genitores o estimularam a abraçar a gravidade como a uma irmã, a qual um dia lhes renderia um formoso prêmio Nobel.
            Os pais de Outono não o ensinaram a andar, mas sim a cair. Era importante para eles provar como a gravidade afetava os bebês. Não o incentivaram a praticar esportes como alpinismo ou asa-delta, mas sim atividades como escavação de túneis subterrâneos, para que estivesse sempre o mais próximo possível da fonte gravitacional. Não permitiam que ele emagrecesse, mas sempre o incentivavam a acumular massa corporal, para que seu peso o mantivesse fixo ao chão.
            E assim... o jovem Outono levava sua vida, sem grandes expectativas ou ilusões, pois diziam rumores que tais letais fantasias poderiam fazer um ser humano flutuar. E se Outono alguma vez ousasse desafiar a física, seus pais jamais o perdoariam.
            Mas sabem bem como a vida funciona. Nos contentamos com iogurte desnatado, até que um anjo nos apresente o sorvete de baunilha. Foi num dia chuvoso de primavera, que entre as confusas trilhas da tabela periódica, ao brincar inocentemente no laboratório da família, conheceu o discreto Hélio. De tão tímido, se incolorava em todo seu inodor. Talvez fosse o 4 em sua massa atômica, ou talvez o modo singelo como os colegas o chamavam de He. A questão é que bastaram segundos para que Outono se afeiçoasse e o tomasse como amigo.
            Dizem que quando se encontra alguém especial, este nos deixa nas nuvens. Curiosamente, Hélio realmente exercia tal efeito. Durante tardes e noites subsequentes, divertiu o jovem Outono com acrobacias e truques, nas quais enchia bexigas coloridas e as erguia magicamente ao infinito, como se nada no mundo pudesse detê-las. O intrigava a maneira como Hélio causava efeitos em seu corpo, deixando-o nervoso de tal maneira que a voz despontava fina e ruidosa de suas cordas vocais.
            Foi então que a amizade num sonho resultou. O intrigante Hélio convenceu seu parceiro de que juntos nada os deteria. Cobiçavam a ideia de fugir durante a madrugada, com Outono amarrado a centenas de balões que ergueriam seu peso em direção ao céu. Hélio os levaria até o astro mais longínquo, onde juntos poderiam desfrutar de seus dias e realizar seus sonhos mais inimagináveis. Nunca mais haveria que ouvir os pais recitando-lhe fórmulas e leis matemáticas em preto e branco. Seu mundo seria repleto de cores, as quais ilustrariam sua vida da maneira como bem quisesse. O jovem seria livre em fim.
            Ansiosamente, guardou todos os seus sonhos na bagagem. Mal sabia que tais o arruinariam, ainda que nem eu mesmo acredite que tenha agido erroneamente.
            Foi às três e sete da manhã que os amigos tentaram partir. Uma fuga rápida da janela mais alta do laboratório de seus pais. Hélio triunfalmente erguia dúzias de bexigas coloridas, as quais erguiam o alegre Outono cada vez mais para o alto.
            Mas o garoto já não era mais criança. Repletos de desesperança, os pais urraram seu nome ao acordar e fitar o ponto que indicava seu filho em direção a luz do luar. Rogaram-lhe a maldição da maturidade, para que a fantasia o expulsasse em direção ao mundo real. Foi no quebrar destas ilusões que as leis da ciência tomaram conta de si. A inércia, o empuxo e a densidade se uniram num uníssono sorriso maquiavélico, ao contemplar as ações da poderosa gravidade.
            A tão invejosa irmã, agarrou-se a Outono com toda sua sagacidade, buscando enfim provar que os pais estavam certos e que Newton nunca imaginara a real magnitude de tal depressiva força. Hélio tentou resistir. Pediu ao amigo que acreditasse no impossível e que não desistisse de lutar. Mas já era tarde.
            Os sonhos na bagagem de Outono eram pesados demais para que pudesse aguentar. No momento em que a gravidade os envolveu, ambos despencaram juntos em direção ao chão pedregoso. O estalar de seus ossos foi superado apenas pelo forte quebrar de todos os seus devaneios.
             Senhor Pai e Senhora Mãe haviam vencido enfim. Após anos, haviam finalmente provado sua tese. A Nova Lei da Gravidade agora se estampa em livros de física por todo o universo. A glória eterna lhes foi concedida, e cientistas os aclamam mundialmente. Newton sorri em seu túmulo, orgulhoso. No canto da sala de estar, um formoso prêmio Nobel os enche de orgulho. Lustroso, dourado... encharcado pelo sangue de Outono que pinga vagarosamente todos os dias manchando o carpete.

{ 18 comentários... read them below or Comment }

  1. Olá!

    Nunca tinha parado pra pensar na física sobre esse ângulo. Adorei seu texto, parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Olá,

    muito legal o seu texto, gostei do seu prisma de pensamento da física, nunca fui próximo ou um amante da física. www.sagaliteraria.com.br

    ResponderExcluir
  3. Estou sem chão! Cara, este texto é absolutamente incrível. Estava ansioso pra chegar no final e você me falar onde compraria o livro do qual ele poderia ter sido retirado. Cara, que sublime genialidade ter escrito esse texto. Um conto ( encanto) de ficção cientifica e sonhos.

    ResponderExcluir
  4. OMG! Que texto altamente incrível, parabéns.
    Confesso que quase me convenceu a gostar de física ahauahuahauhauhaua.

    ResponderExcluir
  5. Nossa , seu texto está esplêndido. Parabéns pela sua criatividade e que você possa ainda nos presentear com textos Raí maravilhosos quanto esse.
    Um beijo
    Camila Bernardini Coelho

    ResponderExcluir
  6. UAU! Que texto! Parabéns é muito bom e bem escrito.
    Consegui até sentir uma coisinha boa pela física kkkkkkk.
    Seguindo o blog pra acompanhar mais textos seu.

    Beijo!
    www.escritacolorida.com.br

    ResponderExcluir
  7. Que texto maravilhoso!!!! Uma leitura leve que poderá fazer qualquer pessoa se interessar por Física!! PARABÉNS!!!

    bjs
    www.livrosdabeta.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oi Felippe, tudo bem
    Meus olhos estão brilhante diante de um texto super criativo. Amei seu texto, as metáforas foram geniais. Parabéns!!!!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Amei o seu texto, principalmente os seus personagens. Completamente originais! E amei o final, simplesmente perfeito. Parabéns e sucesso!

    Bjs.

    http://delirioselivros.com.br

    ResponderExcluir
  10. Felippe, que texto sensacional e inteligente. As metáforas são incríveis.
    Estou sem palavras. Parabéns!

    João Victor - De cabeça para baixo | All pop stuff

    ResponderExcluir
  11. Olá,

    Confesso que NUNCA na vida alguém explicou tão bem a Lei da Gravidade de forma tão simples e comovente para mim.
    Chorei com o fim do outono e como a Natureza não pode ser vencida, mas apenas contornada.

    Beijos!
    http://poesiaqueencantavida.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Felippe, muito bom seu texto.
    Adorei a maneira que você abordou a física.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  13. Oiii!!

    Gente, que texto lindo! Eu confesso que tenho certa invejinha dessa criatividade toda *-*
    Admiro quem consegue transformar e dar sentido as palavras.
    Sucesso!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  14. Oi, que texto incrível! Parabéns e continue nos agraciando com seus textos!!! Amei! Beijos.

    www.eicarolleia.com.br

    ResponderExcluir
  15. Oie, tudo bem? Que texto incrível. Cada dia conheço mais talentos pelos blogs onde passo. Que você continue escrevendo assim tão bem. Beijos, Érika

    - www.queroseralice.com.br -

    ResponderExcluir
  16. Oie
    muito legal o seu texto, gostei da escrita e parabéns haha

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. PQP
    Que texto ein? Fiquei triste pelo o que aconteceu com Outono e com raiva da fixação de seus pais pela gravidade. Texto simplesmente INCRÍVEL ! Parabéns :D
    Abraço
    http://interessantedeler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Olá

    Parabéns pelo seu texto,ficou maravilhoso,a leitura foi muito agradável, parecia que eu estava lendo sobre outra coisa e não sobre física,ficou muito bom mesmo.

    Bjss

    ResponderExcluir

Deixe um comentário!!! Chubble agradece...

- Copyright © Chubble & Eu - Devil Survivor 2 - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -